Contraste Imagens – Thelma Vidales

A Contraste Imagens é uma iniciativa que procura atender a uma demanda do mercado por profissionais que imprimam um olhar diferenciado. Seus projetos empregam conhecimento artístico e sensibilidade. Direção Thelma Vidales



Nosso

Blog

Aqui é um canal de comunicação para ajudar a conhecer a intimidade e os bastidores de alguns trabalhos, além de apresentar e convidar o público a participar de eventos divertidos e curiosos que acontecem na cidade durante todo ano.

Por que o ano de 2010?

Este post foi publicado em Blog em por .

IMG_2903

Assistindo aos jogos da Copa, me lembrei do ano de 2010. Ano em que tive o prazer de acompanhar um grupo de quatro pessoas, que a convite do Instituto Muito Especial, conheceriam as cidades sede dos jogos da Copa de 2014. Não era um grupo qualquer, o foco do trabalho foi mostrar a partir do ponto de vista desses visitantes, portadores de algum tipo de deficiência, idosos ou com locomoção reduzida, a acessibilidade urbana e opções de turismo e cultura dessas capitais.

Estou falando de Karla (cadeirante, toda cheia das delicadezas), Sarita (surda, e super desligada), Ferreirinha (o idoso, que mais parecia um rapaz. Infelizmente, ele faleceu em um acidente de moto, um ano após o projeto) e Moira (cega, mas tenho minhas dúvidas….só quem a conhece me entenderá). Todos eles eram pessoas que tinham que entrar na minha vida, mas foi meu amigo Williams que propiciou esse encontro.

Resumindo, esse não foi o trabalho de maior rentabilidade financeira ou de projeção profissional. Tão pouco o menos trabalhoso. Mas, foi o que me apresentou a sentimentos que nem imaginava existirem.

E como homenagem à esse grupo, dedico a reprodução da carta que redigi à eles no momento da despedida do projeto e com a certeza que sentimentos profundos iriam permanecer.

 

OS ANORMAIS DA COPA

Fiquei pensando o que dizer à vocês: meus tótens andarilhos, pessoas, pintinhos e acima de tudo – anormais. Digo anormais com conhecimento de causa. Vamos lá.

Karlinha, minha caçulinha. Como poderia ser normal, uma menina que sempre se viu tão frágil. Nunca viajou na vida e foi bater rodinhas pelo Brasil. Aceitar um convite para fazer uma viagem sem roteiro e com pessoas estranhas? Como poderia ser normal, uma tomatinha caseira se transformar, em tão pouco tempo, em uma tomatinha aérea, selvagem, aquática, esportiva, aventureira e corajosa. Vejo em você coragem e fé para todos os dias buscar em suas limitações combustível para grandes conquistas e infinitas possibilidades. Uma menina tão linda que sempre está sorrindo.

Você só pode ser anormal.

Sasá, minha professora de música, que está sempre no mundo da lua. Uma menina grande, delicada no jeito de ser. Você é capaz de ouvir o som mais bonito do mundo: aquele que é sentido, aquele que vibra como o seu coração de moleca. “Delícia” foi conhecer uma pessoa rara como você, espécime em extinçãoAnormal! Claro!

Ferreirinnnha, meu filhote adolescente e amante do motociclismo. Sempre querendo farra e ao mesmo tempo querendo ajudar em tudo. Com 75 anos gozando de saúde de moleque, apenas com uma única diferença: a disposição que não vejo em boa parte dos jovens. Nunca vi nada igual. O tenente reformado está sempre aposto. Lógico que é anormal.

Morrriiiiiiiiiiiiiitttaa, minha atual amiga de infância. Você é totalmente anormal – o que já se tornou normal nesse grupo. Você tudo vê, tudo sabe. Tenho certeza que todos nós estamos orgulhosos por ter aprendido com você a perceber o mundo com todos os sentidos. Também por saber que contribuímos com tudo o que você viu nessa viagem. Bem-vinda ao mundo dos anormais.

À vocês quatro pessoas anormais obrigada por tudo. Obrigada, entre outras coisas, por fazerem eu perceber que também sou anormal. Solteira, acostumada a ficar sozinha e de repente da noite para o dia: mãe rssrsr! Não apenas mãe, mas conselheira, chefe, amiga, tia, irmã…. por último produtora e por tudo isso: sou anormal também. Obrigada. Agora vocês se tornaram minha família também! Sei que não é aquela que o destino me deu, mas é aquela que escolhi com o coração.